+++ Visite a nossa Agenda Cultural +++

Email
 

Localização

Transportes

Clima

Telefones Úteis

Voltar

 

> Secções
Alcobaça
Turismo
Historial
Mosteiro
Desporto
Museus
Entretenimento
Ligações Úteis
> Freguesias
Alcobaça
Alfeizerão
Alpedriz
Bárrio
Benedita
Cela
Cós
Évora de Alcobaça
Maiorga
Martingança
Montes
Pataias
P. de Aljubarrota
S. Mart. do Porto
Turquel
S.V.de Aljubarrota
Vestiaria
Vimeiro










































































Voltar

 

> MOSTEIRO DE ALCOBAÇA


A Abadia de Santa Maria de Alcobaça foi construída pelos monges de Cister entre 1178 e 1254, seguindo o modelo da sua casa mãe da Ordem de Cister em Claraval, França. Visto por fora, o Mosteiro, com um comprimento de cerca de 220 metros, é formado por três corpos - a Igreja, cuja fachada atinge os 43 metros de altura e as Alas Norte e Sul, onde, respectivamente, se situavam os aposentos dos reis e da corte em visita, e as residências do Abade e dos Monges. Da fachada original vêem-se as ameias na cobertura lateral, o portal gótico e os janelões laterais. Os torreões barrocos são um acrescento do século XVIII, aquando das grandes obras pombalinas dirigidas por Frei João Turriano. A Igreja, a maior de Portugal, tem três naves de doze tramos cobertas por abóbadas ogivais que culminam num transepto formado por três naves, onde à direita se encontra o túmulo de D. Pedro I e à esquerda o túmulo de D.ª Inês de Castro. Estes dois túmulos góticos, de cerca de 1360, são o testemunho da trágica história de amor entre estes dois personagens da História de Portugal.

Ainda no transepto pode-se ver o Deambulatório e a capela de S. Bernardo com belo conjunto de estátuas barrocas, em terracota, representando a morte de S. Bernardo - o fundador da Ordem de Cister. Na sala dos Túmulos estão os túmulos medievais dos reis D. Afonso II e D. Afonso III, suas esposas e infantes.

Pela cabeceira da Igreja faz-se o acesso à sacristia Joanina, séc XVIII, através de um espantoso portal manuelino da autoria de João de Castilho, séc XVI, bem como às Capelas das Relíquias e do Senhor dos Passos, ambas em estilo barroco.
 
 
É em redor do Claustro de D. Dinis que se situam as principais dependências do Mosteiro, cujo acesso se faz pelo lado esquerdo da Igreja. No piso inferior do Claustro, com decoração gótica datada do reinado de D. Dinis, séc. XIV, encontra-se a sala do Capítulo com esculturas seiscentistas, a Sala dos Monges em socalcos, devido ao desnível do terreno, o Refeitório e o Lavatório, com uma bela bacia de mármore do séc. XVI. A Sala dos Reis, tem estátuas de barro de todos os reis portugueses até D. José e painéis de azulejo do séc. XVIII, onde é narrada a lenda da formação do Mosteiro de Alcobaça. A cozinha monumental, do séc. XVIII, é atravessada por um braço do rio Alcoa e tem uma enorme chaminé. No piso superior do Claustro, com decoração manuelina, situa-se o amplo Dormitório dos Monges, coberto por uma abóbada de ogivas quadrangulares apoiadas em grossos pilares octogonais. No exterior, com acesso pela porta sul do Transepto, pode ver-se a capela Barroca de N.ª Sr.ª do Desterro, séc. XVII. Finalmente, recorde-se a importância cultural deste mosteiro, onde em 1269 se deram as primeiras aulas públicas de Portugal, onde se escreveram grande parte dos Códices medievais portugueses e onde se produziu o maior estudo histórico sobre Portugal ( Monarquia Lusitana, séc XVII ), dirigido por Frei António Brandão e onde se formou a primeira farmácia do reino de Portugal.

  


Comentários e/ou sugestões para:
alcobaca@yahoo.com